Gustavo Aguayo – “Nunca se para de aprender”

Prestes a voltar ao Brasil para o Curso de Regulamentação, Segurança e Sistema de Pontuação da Golden Cheer Company, Gustavo Aguayo fala sobre a sua visão do Cheerleading, do potencial brasileiro e das barreiras que ainda precisamos vencer.

Cobertura Especial C1C

Não é de hoje que o Cheerleading chileno influencia o brasileiro. Foi também graças aos contatos com os atletas e dirigentes chilenos que, inclusive, nasceu a União Brasileira de Cheerleaders, primeira entidade representativa do esporte no Brasil, em 2009. Essa parceria entre nações terá um novo capítulo no início de junho, quando o árbitro Gustavo Aguayo virá ao Brasil para ministrar o Curso de Regulamentação, Segurança e Sistema de Pontuação, organizado pela Golden Cheer Company.

Para dar conta da tarefa, não faltam experiência e formação. Atleta de Cheerleading há 17 anos, Gustavo é certificado juiz de segurança pela United States All Star Federation USASF 2017-2018. Antes, de 2013 a 2015, ele fez capacitação e atualização de regulamentos e sistema de pontuação baseado no Varsity. Em 2016, participou do meeting com juízes certificados pelo Varsity.  Gustavo é árbitro há 5 anos e já participou de grandes campeonatos no Chile, Colombia e Argentina e trará para o Curso de Regulamentação, Segurança e Sistema de Pontuação da Golden Cheer Company em junho.

 

Como é ministrar o único curso específico para árbitros no Brasil?
A experiência de explicar como o sistema de avaliação é aplicado a coaches e atletas brasileiros foi realmente enriquecedora. Fiquei muito confortável com as pessoas de diferentes lugares e aprendi muito da cultura do Cheerleading brasileiro em suas muitas visões.

A língua não foi uma barreira?
Todos foram muito gentis e tiveram muita paciência comigo e eu fiz o melhor que eu pude para compartilhar o conhecimento. O curso foi uma das grandes experiências que esse esporte me deu e, por isso, dei o meu melhor.

As pessoas que decidem se dedicar à arbitragem têm a obrigação de treinar, melhorar, se educar.

Como profissional do esporte, é prazeroso ministrar esses cursos?
Como alguém que ama o Cheerleading, quero que todos cresçam e se informem porque o conhecimento é a única ferramenta capaz de permitir a igualdade para que todos possam avançar, crescer e melhorar. Se eu posso contribuir com um grão de areia, isso já me deixa muito feliz.

Qual a importância desse tipo de curso para árbitros de cheer?
Assim como em qualquer esporte, juízes, atletas e coaches precisam se manter atualizados. Avaliar o trabalho que coaches e atletas fazem com tanta dedicação ao longo da temporada até as competições é uma grande responsabilidade.

 

Mesmo para aqueles que já arbitram normalmente?
Eu sempre uso a frase “você nunca para de aprender”. As pessoas que decidem se dedicar à arbitragem têm a obrigação de treinar, melhorar, se educar. É importante lembrar que suas opiniões e avaliações ajudam os coaches a melhorar seu trabalho e suas rotinas. É verdade que somos humanos e cometemos erros, mas é preciso empatia e humildade para melhorar naquilo que erramos.

Você chegou a identificar os pontos fracos no nosso conhecimento dos códigos nos cursos do ano passado?
O Cheerleading é um esporte com um potencial enorme no Brasil, mas ainda é possível detectar a falta de conhecimento técnico. Há dificuldade em interpretar alguns conceitos gerais, até porque eles são muito fáceis de confundir. São conceitos que precisam ser dominados com clareza. No ano passado, além do material didático oferecido pelo curso, busquei dar exemplos para permitir que esses conceitos fossem identificados e internalizados. Outro ponto importante é ajudar na compreensão do sistema de avaliação, porque determinadas pontuações são aplicadas, quais são os requisitos a serem alcançados. O curso tem abordagens que ajudam árbitros e coaches experientes, mas principalmente os que estão começando.

O Cheerleading é um esporte com um potencial enorme no Brasil, mas ainda é possível detectar a falta de conhecimento técnico.

Como é a formação de árbitros em outros países onde o esporte já é mais consolidado?
No meu país (o Chile) não há hoje muitos treinamentos para juízes. Já em outros países é possível encontrar formações que levam em consideração as realidades e exigências de seus países, de forma adaptada.

Mas a sua formação começou no Chile, certo?
Sim. Anos atrás eu tive a oportunidade de participar de um curso no meu país e, em 2017, fui aos Estados Unidos da América para participar da conferência e treinamento de segurança para árbitros 2017-2018 da USASF, uma das mais importantes organizações mundiais de Cheerleading. Pessoalmente, acho que esses cursos são exemplos de aprendizagem que vão ajudar no crescimento do esporte no país. Esse ano, iremos explicar detalhadamente como funcionam os sistemas de pontuação, as variaáveis que precisam ser consideradas, a relevância de cada área de avaliação, a logística de como um painel de juízes trabalha, entre outras coisas.

Está ansioso para voltar ao Brasil para mais cursos da Golden Cheer Company?
Sim! Espero poder compartilhar conhecimentos com todos logo. Nunca devemos parar de aprender nesse esporte e esses cursos também funcionam como uma mesa de diálogo onde as perguntas dos outros podem ajudar a todos a aprender mais. Espero encontrar todos com muitas dúvidas e muito desejo de aprender e avançar. Farei o meu melhor para ajudar em tudo que puder para que todos tenham acesso à informação.

O segundo lote de inscrições para o curso de Regulamentação, Segurança e Sistema de Pontuação, organizado pela Golden Cheer Company só vai até a próxima segunda-feira, dia 13/05. Para se inscrever, clique aqui.

Instagram did not return a 200.