Mato-Grosso: cresce um novo polo do cheer brasileiro

Os últimos anos têm provado a força do esporte universitário na difusão do cheerleading. Em Mato Grosso não foi diferente.

Seis anos atrás nasceram as equipes de cheerleading das atléticas Turuna (atual Mayoruna) e Caiman (equipe que já não encontra-se mais ativa). As duas equipes disputaram o primeiro duelo de cheerleading na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) no final de 2014. Desde então, a modalidade esportiva se espalhou pelo campus, com a criação de novas equipes, ampliando a visibilidade do esporte no estado.

Hoje, é em Cuiabá, capital do estado, que o esporte mais cresce. Existem aproximadamente 14 equipes universitárias Coed e uma All Girl, divididas nos níveis 1 e 2. No fim do ano de 2019 e início de 2020, novas equipes fizeram esse número aumentar. Graças a esse crescimento, o fator competitivo do esporte pôde ser vivido de verdade: em outubro de 2019 aconteceu o primeiro campeonato estadual de cheerleading e baterias, o Cheersteria.

Invadindo o cenário nacional
Mas o cheer mato-grossense não nasceu para ficar contido em suas fronteiras. Equipes do estado participaram do Campeonato Mineiro e do Engenhariadas Mineiro. No cenário nacional, marcaram presença no Nacional UBC, Cheerfest Supernational entre outros. Com os pódios veio a certeza de um bom trabalho realizado.

Na conquista do Brasil – e do mundo –, o estado deu um passo adiante nessa temporada: uma atleta mato-grossense integra a nossa equipe nacional. O time All Girl da Seleção Brasileira de Cheerleading para a temporada 2020/21 tem Lucielma Dias Gomes, conhecida como Cielma, como uma de suas bases. Terminado o isolamento imposto pelo Coronavírus, o Mato-Grosso chegará ao tatame mais importante do mundo do cheerleading. “Entre as dificuldades enfrentadas para chegar até a seleção estavam a estrutura para treinos, condições financeiras e a falta de técnica adequada”, lembra Cielma. Agora que integra o time nacional, no entanto, está pronta para fazer história no seu estado: “É uma responsabilidade imensa, mas uma experiência inacreditável”, finaliza.

 

As pioneiras
A Mayorunas foi uma das pioneiras do estado. Fundada em 2014, a equipe universitária permanece ativa. São seis títulos conquistados nos campeonatos Engenhariadas, TECO e Cheersteria. Esse ano, se a temporada for mantida, pretendem participar do Campeonato Nacional da União Brasileira de Cheerleading (UBC) com um time Coed nível 2.

À medida que o esporte ganha espaço, melhoram as técnicas e habilidades dominadas pelos atletas. Pedro Pasolli, capitão da equipe, diz que o fato de haver uma rivalidade interna entre as equipes reflete diretamente no meio esportivo do estado de forma negativa, e isso dificulta o crescimento de algumas equipes que estão apenas se iniciando. “A rivalidade interna existe porque o topo é sempre cobiçado. Então as equipes buscam sempre ser a melhor, por mais que participem de campeonatos diferentes. Acredito que a sororidade possa melhorar a interação entre equipes, mesmo quando estamos competindo uma contra a outra”, conta.
 
A Mayorunas encontrará nos nacionais uma outra equipe mato-grossense já bastante conhecida por marcar presença nas maiores competições do país: o Atormenta Cheerleading pretende viajar esse ano para disputar o Cheerfest Supernational.

O time universitário, que também possui o primeiro time All Girl do estado, vice-campeão no Nacional UBC em 2019, em sua estreia, batalha contra os obstáculos impostos pela distância dos polos do esporte. “A maior dificuldade é a falta de informação, especialização e cursos para coaches ou para quem busca aprender mais sobre o esporte. Mas mesmo com a dificuldade, já alcançamos muito e podemos colocar Mato Grosso no topo do cheerleading brasileiro”, afirma Ayslan Matheus, capitão da equipe. Assim como o capitão da Mayorunas, Ayslan vê a disputa interna, nem sempre saudável, como uma pedra no sapato dos admiradores do esporte da região: “Em outros pólos as equipes e coaches trocam informações e automaticamente se ajudam. Aqui isso não acontece”, afirmou.

Cenário All Star
Também, representando o estado, o Evolution Xtreme Allstar, ou EV-X, pretende embarcar este ano para o campeonato nacional da UBC. O ginásio já nasceu com novidade: é dele a primeira equipe All Star nível 3 do estado. Como costuma acontecer, o ginásio foi fundado para atender aos atletas que não eram vinculados a universidades mas desejavam praticar o cheerleading esportivo. Esse encontro de apaixonados pelo esporte fez nascer o programa.  

De acordo com o capitão da EV-X, Edgar Allebrandt, a maior dificuldade que a equipe sofre é a falta de espaço físico para treino: “Essa dificuldade não é sentida somente pela nossa equipe. Além disso, custo com viagens e deslocamento são bem pesados”, afirma. “Como o estado de Mato Grosso, até pouco tempo atrás, não tinha nenhuma equipe All Star, decidimos abrir o ginásio para expandir o esporte não só no estado, mas no país. Hoje contamos com dois ginásios All Star no estado e estamos ansiosos com essa temporada.  Esperamos muitas medalhas e, o mais importante, muito aprendizado e troca de conhecimento com outros atletas.” reitera.

Com grandes projetos e muitos planos, o cheer no polo que está nascendo em Mato Grosso não é mais um sonho, e sim uma realidade. O crescimento tem sido constante e a cada dia uma equipe nova nasce para fomentar e difundir o esporte que, quem sabe, ainda será um dos mais praticados no país. Se depender do Mato Grosso, é quase certo.


Texto e produção: Heitor Bruno (C1C MT)

Produção: Louise Aguiar (C1C RJ)
Revisão: Isabella Boddy (C1C PR) e Nicole Goldstein (C1C RJ)

Instagram did not return a 200.