O que seria do cheer sem elas, as CHEER MOMS?

Em meio a um momento tão delicado para todo o mundo, esse domingo é um momento de alívio, de respirar fundo e lembrar delas, as nossas mães. Elas podem estar perto ou não. Podem estar perto, mas sem abraços e beijos pela segurança delas e pela nossa. Mas a gente sabe que elas são fundamentais e que, sem elas, sem o apoio dessas mulheres, dificilmente teria cheerleading na nossa vida. Hoje o dia é delas. Obrigado, cheermoms!

Neste dia tão especial, celebramos a vida daquelas que nos deram a vida, daquelas que nos deram a força para não desistir, daquelas que muitas das vezes entram de cabeça nessa loucura que é o mundo do cheerleading e fazem de tudo para ver os sonhos de seus filhos realizados.

Treinos, rotina, despesas, uniformes, laços, hidratação, boa alimentação, estresse do dia a dia e ansiedade pré-campeonato são algumas das coisas que cercam o ambiente de um cheerleader, mas, em meio a essa turbulência de acontecimentos ao longo do ano, temos uma pessoa que sempre está lá para amparar e dar a força que é necessária para seguir. 

Apoio familiar
O apoio familiar é um pilar fundamental no desenvolvimento de qualquer pessoa. No esporte, onde os atletas são estimulados a dar o seu melhor e romper os seus limites, esse amor e carinho são fundamentais em situações de fraqueza e frustração. Esse amor dá a força necessária para seguir correndo atrás dos objetivos.

Stephany Ruiz dos Santos, atleta do Galaxy Allstars, reconhece esse apoio. “Acho muito importante ter o apoio de alguém próximo que amamos. No meu caso, o apoio de minha mãe me motiva um tanto para continuar. Esse apoio para um atleta é de suma importância. A mãe tem um grande peso positivo quando se trata de apoiar os filhos e isso nos faz crescer e sentir que estamos fazendo a coisa certa, no caminho certo”, conta.

Stephany Ruiz e sua mãe. Foto: arquivo pessoal

Do backstage para a ação
O apoio também é carregado de preocupação com os estudos, o trabalho e a vida profissional como um todo. Afinal, toda mãe sonha em ver seus filhos bem-sucedidos na vida. Marcia Lopes – sócia do Rebellion All Star – e seu filho João Felipe Iamarino – headcoach e fundador do programa— têm traçado uma história linda juntos. “A partir do momento em que ela viu que eu me apaixonei completamente pelo esporte, essa foi uma jornada tanto minha, quanto dela”, conta João.  Clique aqui  para saber mais dessa empreitada de mãe e filho.

A paixão e a determinação de João são pontos muito levantados por Marcia, desde o primeiro campeonato que assistiu em 2016. “Fiquei encantada e depois disso já começou o meu coração a bater mais forte”. Mesmo com o fogo no olhar, vem a preocupação, nesse caso, da família com os estudos e a vida profissional. “A família começou também a incentivar, mas sempre preocupada com os estudos. É algo natural da família, mas eu sabia que ele era compenetrado em tudo que ele faz e que o esporte para ele fazia muito bem. Aquilo me deixou muito feliz e senti que para ele, também, a minha aprovação e meu apoio eram fundamentais”, lembra Marcia. 

 

Ellen Gomes e sua mãe. Foto: Arquivo pessoal

Apoio mesmo de longe
Durante a temporada, há competições que são em outras cidades e até mesmo em outros estados. Naturalmente, as mães ficam preocupadas, ligam sempre querendo saber como seus filhos estão e se está correndo tudo bem. E, é claro, querendo aquela foto do filho montado para entrar no tatame.

No Sealand Cheer, há um grupo de Whatsapp da coach Ellen Gomes de Oliveira com as mães para aproximá-las durante as competições. “Eu faço questão de ter um grupo com as mães dos atletas quando vamos para os campeonatos. Mãe é mãe. Elas ficam preocupadas, querem notícias, mandam mensagens carinhosas, gostam de ver fotos e eu faço questão de sempre levar isso para elas. Foi a forma que encontrei de aproximá-las de nós enquanto estamos em campeonatos. Esse apoio transmite conforto, segurança, motivação, consolo quando algo não sai como esperado. Mãe é a base para alçarmos voos mais altos”, conta.

 

Juliana e Anamaria Spinelli. Foto: Arquivo pessoal

 

Convite às mamães
Todos sabem que atualmente nem todos os atletas têm apoio de suas famílias, mas alguns exemplos são inspiradores e convidam as mães mais afastadas a conhecerem melhor o mundo do cheerleading por meio de seus filhos e filhas. A vivência de Anamaria Spinelli, mãe da Juliana Spinelli (Marvel All Star), é um desses convites a todas as mães. “Não sou conhecedora de outras modalidades, mas vejo no cheer um esporte limpo. Até onde tive contato, em treinos, showcases ou competições, existem equipes e atletas adversários, não rivais. Isso faz toda a diferença! Eu me emociono e fico arrepiada a cada campeonato, porque acompanho o desenvolvimento de alguns atletas. A união e a dedicação deles a se superarem é inspiradora para a vida. Venham experimentar! Depois de subir uma vez, vocês vão esperar ansiosas pelo integra no final dos campeonatos”, convida Anamaria.


Texto: Lilian Fontes (C1C RJ)

Produção: Gabriela Rapp (C1C GO)
Revisão: Gabriela Rapp (C1C GO), Beatriz Melo (C1C RJ) e Isabella Boddy (C1C PR)

 

Instagram did not return a 200.