Um nacional de extremos na UBC em 2019

O ano de 2019 foi de grandes projetos dentro da União Brasileira de Cheerleading – UBC, entidade que representa o esporte em âmbito nacional. Projetos como o Team Brazil Pan-Americano e a primeira seleção para corpo técnico nacional foram comemorados  como grandes vitórias na nova gestão da entidade.

Nesse contexto, o Campeonato Nacional de Cheer & Dance 2019, teve uma atenção especial para que atendesse as expectativas dos atletas. Com um evento considerado bom em 2018 e o crescimento do esporte em 2019, o Nacional teve uma procura boa de equipes de todo o país.

Na prática, o campeonato foi um evento de altos e baixos que teve dois dias completamente diferentes e um final bastante complicado. Erros e acertos se somaram na Arena Concórdia em 30 de novembro e 1º de dezembro. O Nacional de 2019 tinha a vantagem de abrir a temporada: equipes eufóricas, atletas ansiosos por viver um campeonato nacional depois de um ano de preparação. O clima vem pronto dentro de ônibus e aviões e o campeonato recebe e direciona esse clima. E no primeiro dia de competição, a UBC fez isso sem muito esforço. Enquanto 19 equipes universitárias e 18 ginásios apresentavam verdadeiros espetáculos no cheer floor, um staff numeroso trabalhava para minimizar problemas.

Evitáveis ou não, eles estavam lá: o calor, a escassez de pontos de hidratação na arena, uma única opção de alimentação e o espaço para aquecimento menor que o original causaram desconforto. Mas a sinalização era boa e estava em todo lugar, o cronograma foi seguido com atenção à hora e a Arena Concórdia, com seus 12 andares de altura, recebeu atletas, coaches e dirigentes sem aperto.

O clima da competição se manteve bom até o final das competições de Team Cheer. Uma tempestade nas últimas rotinas, já no nível 4, impossibilitou o uso do tatame de aquecimento e causou algumas goteiras que eram secadas após cada rotina. Ainda assim, tivesse terminado naquele momento, o campeonato teria sido um sucesso.


Modalidade Pom Dance

Team Pom All Star Senior
Ouro: BX Xparkle
Prata: Lotus Phoenix
Bronze: UFABC Cheerleading

Double Pom All Star Senior
Ouro: Elite Soldiers

Team Pom All Star Júnior
Ouro: Lotus Phoenix

Team Pom Escolar
Ouro: Lotus Phoenix

Divisão Universitária

Coed nível 3
Ouro: UFMG Cheerleading
Prata: BeeCheers Fúria
Bronze: Furiosos

Coed nível 2.1
Ouro: Dragões da UFF

Coed nível 2
Ouro: Asas Negras
Prata: Atormenta Cheerleading
Bronze: UFMG Cheerleading

All Girl nível 2.1
Ouro: UFABC Cheer
Prata: Atormentadas Cheerleading
Bronze: UFFianas

Divisão All Star

Coed nível 4
Ouro: BX X4ce
Prata: Bravo! Cheerleading
Bronze: RCR 40º

Coed nível 3
Ouro: Marvel Rise
Prata: BX Xcellence
Bronze: Bravo! Cheerleading

Coed nível 2
Ouro: Panthers All Star
Prata: RCR Reign
Bronze: BX Xclusive

All Girl nível 3
Ouro: Marvel Furious Angels
Prata: BX Xplosion
Bronze: Grand Casino Queen of Hearts

All Girl nível 2
Ouro: BX Xplore
Prata: Marvel Halo
Bronze: UFMG Cheerleading

All Girl nível 1
Ouro: Lotus Phoenix
Prata: Crococheer
Bronze: CTC



Arbitragem e resultados

A primeira das três falhas críticas que foram definitivas para o campeonato não era algo controlável pela organização: a arbitragem. A contestação de súmulas revelou algo até então desconhecido e um tanto curioso: o quadro do cheer section, os gritos de animação de torcida do início das rotinas das equipes universitárias – que inclusive pontua consideravelmente nos campeonatos da International Cheer Union ICU – foram ignorados pela arbitragem. Não havia nada no regulamento sobre o assunto e a organização descobriu junto com as equipes a pontuação faltante.

Outro problema – e esse atingiu igualmente universitários e equipes All Star – também surgiu durante as contestações. Segundo os árbitros, por orientação de Robert Torres, que coordenou a mesa de arbitragem, apenas as deduções foram apresentadas aos coaches das equipes, que não tiveram acesso às demais notas, como a de dificuldade, que não está entre os critérios subjetivos que não aceitam contestação.

Entramos em contato ontem com Robert para uma entrevista. As perguntas já foram encaminhadas e aguardamos as respostas que não haviam chegado até a publicação dessa matéria. Esse texto será editado assim que o árbitro enviar suas respostas.

Os enganos no segundo dia
O segundo dia de competição, como esperado, foi mais lento. Muitas equipes deixaram a cidade após o primeiro dia e os problemas da arbitragem do dia anterior não diminuíram a garra dos atletas que passaram o dia competindo em categorias individuais. Na hora dos resultados, novo problema: os responsáveis por passar as notas para o arquivo que definiria o ranking cometeram enganos que ficaram claros logo no início dos anúncios, quando equipes universitárias foram anunciadas como All Star.

Segundo Lucas Vinholi Gonçalves, responsável pelo arquivo com as notas, o erro de digitação passou em branco na hora da revisão.

“Era a minha primeira vez auxiliando os técnicos. Estávamos falando três idiomas, com seis ou sete pessoas na mesa. Dividimos as funções corretamente para não ficar corrido e a minha função era digitar as notas das súmulas em um arquivo de Excel. Os jurados, inclusive, me treinaram antes para que tudo corresse bem”, conta Lucas.

Para Lucas, que é ex-atleta do Sanca Al Star, faltou revisão. “No primeiro dia tudo correu bem. No segundo foi um problema eu não ter passado uma última conferência e não estar lá durante a premiação para auxiliar as alterações. Eu sabia o que estava fazendo, mas todo mundo erra. É humano não ser perfeito”, lamenta.

A decisão da organização foi adiar o anúncio dos resultados do segundo dia. Clara Ascenio, presidente da UBC, visivelmente abalada, se desculpou pessoalmente e prometeu os resultados em alguns dias. Na segunda-feira um novo movimento da UBC abriu ainda mais dúvidas com a arbitragem: as equipes tinham 24 horas para contestar as súmulas por e-mail, colocando os resultados do primeiro dia também em cheque.

A espera, cheia de ansiedade e nervosismo por parte dos atletas terminou na segunda-feira, dia 10/12, quando a entidade publicou uma planilha com os resultados do campeonato via Instagram. Sem nenhum esclarecimento extra ou explicação, a resposta do público não foi positiva.

Segundo Clara, todas as opções da UBC no gerenciamento da crise foram pensando nos atletas. “É muito complicado. A UBC tem uma equipe muito reduzida. Queríamos postar uma foto para cada campeão, como sabemos que deve ser, mas optamos por liberar a planilha o mais rápido possível, de forma transparente e fácil acesso, com todas as notas à disposição. Mais para frente, com um pouco mais de calma, faremos as publicações. Pode ter sido um erro buscando arrumar um outro erro, mas foi tentando acertar”, explica Clara.

A presidente da UBC também fez questão de assumir os erros da entidade e apontar que nem tudo era do controle da produção: “Nós não estamos terceirizando o erro. Ele também foi nosso. Mas as situações que aconteceram na hora da arbitragem, na construção da planilha e outros mais fogem do nosso controle. O restaurante, por exemplo: demos uma expectativa de 900 pessoas. Eles não acreditaram porque isso era muito acima do que o Clube costuma receber em um fim de semana. Nós não tínhamos como controlar isso”, relata Clara.


Pros
. Campinas recebeu bem os atletas, com infraestrutura e um setor hoteleiro competente.
. Transporte barato e acesso fácil ao local das competições.
. Sinalização eficiente em todos os lugares dentro do ginásio.
. Cronograma controlado: atrasos foram recuperados ao longo do dia.
. Espaço especial dedicado aos coaches e capitães de equipes com bebida e lanches.
. Sala de imprensa climatizada.
. Tatame de qualidade: Cheer mat.
. Boa sonorização e apresentação.
. Boa decoração, com as equipes entrando pelo centro da estrutura.
. Número adequado de spotters atentos ao trabalho.
. Boa iluminação, mantendo o tatame bem iluminado até o fim do evento.
. Anúncio – ainda que tardio – de campeão que havia ficado em quarto por um erro de arbitragem.

 

Cons
. A medalha era muito simples, todas iguais. Foram dadas como “medalha de participação” e as oficiais – de ouro, prata e bronze – foram prometidas para os próximos meses, via e-mail.
. O único ponto de hidratação era um bebedouro ao lado da quadra. Houve filas e a água não deu vazão à quantidade de atletas.
. Problemas com a arbitragem: notas de dificuldade não foram apresentadas para contestação e o cheer section não foi considerado nas notas das equipes universitárias.
. Tatame de aquecimento menor que o oficial.
. Área de aquecimento sujeita ao clima foi inundada quando choveu e o aquecimento passou para o tatame principal no final do primeiro dia.
. Banheiros sujos ao longo do campeonato.
. Uma única opção de alimentação na cantina do próprio evento dentro do ginásio.
. Problemas na planilha com resultados do segundo dia.
. Demora para o anúncio das colocações dos individuais (segundo dia de competição).

Instagram did not return a 200.