Visão técnica: entenda o cheer section ou o “grito de guerra”

Em 2020, o C1C decidiu mergulhar de vez nas questões técnicas! Vamos desmembrar um pouco mais os códigos e regras que envolvem as rotinas e quesitos avaliados nas competições. A ideia é que a cada texto possamos trazer um novo tema para discussão com vocês e a pedido de vocês. Por isso, ao fim de cada matéria, será feito duas interações, uma sobre o assunto e outra sobre qual próximo tema vocês gostariam de discutir com a gente. Esse espaço é seu, pensado pra você. Então vem!

Pyter Arêas – árbitro de cheer esportivo

 

 

 

 

 

Todos que já acompanharam algumas competições da International Cheer Union (ICU) e campeonatos universitários sabem que um dos quadros analisados é o que chamamos de Cheer Section, grito de guerra ou apenas “cheer”. Por aqui somos bastante familiarizados com cheers

icônicos, como o da UFABC em São Paulo, o do Team Chile ou de Kentucky. Mas no Brasil, o cheer section ainda é um quadro que gera sentimentos controversos nas competições. Em algumas delas a seção cheer não é considerada para a pontuação final justamente por ainda não estar tão difundida no país, e os motivos são variados.

Erra quem pensa que o cheer section só ocorre nos universitários ou na ICU. A seção cheer também acontece no All Star, na divisão que chamamos de Global Cheer Divisions ou Global Club, nas quais há uma seção cheer antes da rotina. E isso muda também na pontuação deles. No Varsity, por exemplo, as equipes da Global Cheer Division não têm a pontuação de performance, que é substituída pela avaliação do cheer do início da rotina. No International All Star Federation (Iasf), eles valem 10 pontos, sendo o equivalente a pouco mais que 6% da pontuação final. (Nota máxima possível é 160 pontos no Iasf Global).

 

 

Verde-Amarelo-Azul… Vamos Brasil! 
No Brasil algumas equipes apresentam uma seção cheer que descaracteriza um pouco o que deveria ser analisado dentro do quadro. Mas o que é avaliado?

Existem algumas regras e elas variam de acordo com a categoria. Dentro da ICU e da Global Division do All Star, a seção cheer deve ocorrer ANTES da rotina com música. Ela deve durar entre 30 e 40 segundos e, depois dela, a equipe tem até 20 segundos para se posicionar e começar a rotina com música, que deve durar até 2 minutos e 30 segundos.

Um detalhe importante é que elementos de dificuldade que forem feitos durante a seção cheer também são considerados para a pontuação do quadro de dificuldade final da rotina. O problema é que eles têm que ser incorporados de forma inteligente para não descaracterizar a seção. No universitário, a seção cheer pode ocorrer no meio ou no início da rotina, durar até 45 segundos e pode, ainda, ganhar um Bônus de 0.1 pela inclusão do mascote.

São 5 os critérios observados pelos jurados:

– Impacto e qualidade do material apresentado

– Uso de acessórios

– Animação e energia

– Habilidades específicas

– Execução

 

Como é observado pelo árbitro?

– Impacto e qualidade do material apresentado

Quando se fala sobre “impacto e qualidade do material apresentado”, está sendo analisado o que foi cantado pela equipe. O cheer tem que ser de fácil repetição e assimilação pelo público presente. Palavras difíceis e complicadas ou um cheer muito grande devem ser evitados, uma vez que quanto mais fácil for de compreender e repetir, melhor a pontuação da equipe. Outros quesitos também são avaliados, como falar o nome da equipe, as cores, o uso ou não da mascote. Outro detalhe muito avaliado é o ritmo. Foi fácil de compreender e é fácil de ser repetido? Foi mantido o mesmo nível do início ao fim?

Obs: Dentro do ICU, é recomendado que as equipes cantem a seção cheer na sua própria língua, então a questão do ritmo e facilidade de repetição estando em uma língua diferente do inglês se faz mais importante ainda.

– Uso de acessórios

O uso de acessórios talvez seja a parte que mais gera confusão entre os atletas. Ter os acessórios não significa que você já esteja tendo uma pontuação alta garantida nesse quesito. Os acessórios devem ser usados de forma a ajudar o Cheer a sobressair e em alguns casos ajudar a ter uma resposta da torcida. O Uso de placas, pompons, megafones são os mais comuns, e ultimamente também tem aumentado o uso de faixas e bandeiras. Tudo para aumentar o apelo visual da seção cheer. Não é necessário ter TODOS os acessórios, mas eles têm que ser usados de forma efetiva e com técnica. SIM, existe técnica para uso de acessórios também. É sempre mais avaliado se o uso de acessórios foi efetivo durante o cheer, do que a quantidade de acessórios.

– Animação e Energia

Nessa categoria, os juízes vão estar avaliando o uso do espaço e a forma como a equipe se comunica com a torcida durante o cheer. Eles conseguiram animar a torcida? Houve vontade de resposta? Essa animação e energia se manteve alta do início ao fim? Essa categoria talvez seja a mais subjetiva das 5, mas ainda é a mais fácil de ser avaliada.

– Habilidades especificas

Elementos de dificuldade podem e devem ser utilizados durante o cheer. Desde stunts, tumbling e baskets até Pirâmides. A questão é que esses elementos não podem impedir ou atrapalhar o cheer de ser compreendido. O stunt ajuda a visualização, pois a flyer fica em destaque, naquela posição é mais fácil para ela liderar e enfatizar alguns comandos. Elementos mais simples e sincronizados acabam causando um apelo visual mais forte e são extremamente recomendados. Os elementos apresentados precisam ser práticos e de fácil execução para a equipe. Qualquer queda ou erro de execução recebe a penalização pela queda e desconto no quesito de execução.

 – Execução

A última das categorias avaliadas vai observar justamente a execução de tudo que foi apresentado, mais especificamente a qualidade técnica. Sincronismo, tempo, uso do espaço, elementos de dificuldade apresentados de forma técnica segura, e sempre observando que tudo passado pela equipe foi feito de forma sólida, segura e que estava 100% pronto e bem ensaiado.

 

Todas as 5 categorias costumam ter sua pontuação entre 0.0 e 2.0, dando no total 10 pontos para a seção cheer. Elas são divididas em três níveis de pontuação: baixa, média e alta. Sendo de 0.0 até 1.0 uma pontuação baixa, de 1.0 até 1.4 média e de 1.4 até 2.0 alta. Então uma equipe com uma avaliação média nos cinco quesitos, poderia tirar até 7.0 de 10.0 na seção Cheer.

 

 

 

E vocês? Quais vocês acham que são as cheer sections favoritas de vocês? Quais que vocês acham mais chiclete? Responde lá no nosso Instagram!

E o tema do próximo artigo você decide. A votação será pelos nossos stories no Instagram. Entra lá e vote! Qual desses temas você quer que a equipe técnica do C1C traga no próximo artigo? Pesquisa no ar! Corre lá no @cheeronechannel!

Temas para votação:

– Introdução ao Sistema de pontuação do Dance/Pom

– Diferenças entre as Categorias dentro do Dance/Pom

– Obrigatoriedades dentro das Categorias do Dance/Pom

Nos encontramos nos próximos dias para mais uma coluna técnica do Cheer One Channel! Até lá!

 

 

Texto e técnica: Pyter Arêas
Revisão: Isabella Boddy (C1C PR) e Nicole Goldstein (C1C Rio)

 

Instagram did not return a 200.