Cheerleading dá mais um passo para a conquista da participação olímpica

 

O Cheerleading acaba de superar uma importante etapa em seu caminho em direção às Olimpíadas. No início deste mês, o Conselho executivo do Comitê Olímpico Internacional (COI) encaminhou à assembleia geral a solicitação de que seis federações internacionais fossem reconhecidas como representantes plenas de seus esportes em nível mundial. Entre elas está a International Cheer Union (ICU), que desde 2016 possuía o reconhecimento provisório.

Além da ICU, agora responsável pelo Cheerleading no cenário olímpico, foram aceitas entidades que representam mundialmente o kickboxing, muay thai, sambo, icestocksport e a lacrosse. Todas as modalidades passaram pelo menos três anos com o reconhecimento provisório e, agora, integram oficialmente o grupo de 39 esportes reconhecidos pelo COI.

Sem previsão para os jogos

Embora seja uma etapa de grande importância para o Cheerleading, o reconhecimento pleno do esporte não garante a participação nos jogos olímpicos. Em 2018, o Cheerleading chegou a enviar equipes aos Jogos Olímpicos de Inverno da Coreia do Sul. Os times nacionais de Estados Unidos, Noruega, Rússia, Alemanha, Suiça, Canadá e Holanda participaram de cerimônias. Desde então, o reconhecimento pleno passou a ser uma realidade possível na assembleia que acontece no contexto das Olimpíadas de Tóquio.

 

Mais um passo em direção às Olimpíadas


O objetivo final, a entrega de medalhas olímpicas para cheerleaders, ainda não é certo, uma vez que ser reconhecido como esporte organizado pelo COI não garante a participação nos jogos organizados por ele. O boliche, esqui aquático e o squash, por exemplo, são disputados nos Jogos Pan-Americanos. Automobilismo e motociclismo são reconhecidos, mas não fazem parte dos jogos.  

Este ano, cinco categorias reconhecidas pelo COI fazem sua estreia nos jogos, ainda em caráter experimental: skate, surfe, caratê, softbol e escalada de velocidade.

E agora?

A busca do sonho olímpico continua. As entidades internacionais reconhecidas continuarão sendo avaliadas e podem requerer participação nos campeonatos continentais e nos próximos ciclos olímpicos.

Mesmo que a participação olímpica não esteja ainda no horizonte, o reconhecimento do Cheerleading merece comemoração: o esporte levou apenas cinco anos para alcançar o status de esporte olímpico, um processo que durou 25 anos para o kickboxing. Nesse ritmo, é possível que o cheer seja incluído nos próximos Pan-Americanos e Jogos de Inverno, podendo finalmente alcançar os jogos olímpicos por volta de 2028.

 

Texto: Rodrigo Mariano (C1C RJ)
Revisão: Isabella Boddy (C1C PR)
Foto: IOC / Greg Martin