É AMANHÃ! UBC abre temporada com muito All Girl, Pom Dance e Paracheer

A pré-temporada já anunciava algumas tendências para o ano antes mesmo dos primeiros campeonatos regionais. A chegada definitiva do All Girl, com toda a força da categoria era uma delas. O crescimento do Pom Dance no Brasil e a inauguração das categorias do Paracheer também estavam entre os grandes destaques.

Os regionais confirmaram as tendências e os nacionais estão batendo à porta: acontece AMANHÃ o Campeonato Cheer & Dance da União Brasileira de Cheerleading, que dá o pontapé inicial da temporada nacional. E o campeonato mais antigo do país é sempre um bom exemplo do que está rolando no cenário do esporte.

O primeiro All Girl nacional
Em uma temporada de destaques de times 100% femininos, o campeonato da UBC confirma a tendência. Haverá disputas All Girl nos níves 1, 2 e 3, do Escolar ao Sênior. No All Star nível 1, Lotus, Crococheer e CTC lutam pela medalha nacional.

Na divisão universitária, uma confirmação garante espetáculo no tatame: o UFFianas, bicampeã Carioca e medalha de Ouro do Junfri no último feriadão vem se destacando cada vez mais no cenário com ótimas rotinas, técnica e execução. Na disputa, uma equipe que carrega praticamente uma marca no cheer brasileiro: a UFABC, berço de grandes times que fazem parte da história do esporte no Brasil. Atormentadas Cheerleading e Quinss Cheerleading, vice-campeão Cheerfest Paulista, fecham a disputa. Haverá, ainda, um All Girl nível 2 Escolar, com a equipe do IENEC.

No cenário All Star, grandes embates interestaduais deverão acontecer no primeiro tatame nacional da temporada. A Marvel All Star levará todos os seus times para o campeonato, incluindo as suas duas equipes femininas: Halo no nível 2 e a premiadíssima Furious Angels no nível 3. O time é o atual Campeão Carioca nível 3 e Grand Champion da competição desse ano. No nível 2, o ginásio disputará com o BX Xplore e UFMG Cheerleading na decisão de para que estado vai o ouro do Nacional.

No nível 3, além do Furious Angels, buscarão a melhor colocação no pódio o Grand Casino Queen of Hearts e o BX Xplosion, campeã  brasiliense em 2018 e medalha de Bronze no último Cheerfest. Algumas ausências, como o RCR Lady Rain, o atual Campeão Nacional, Panters All Star e o Campeão Cheerfest Paulista Fierce Extreme, serão sentidas, mas o espetáculo é garantido.   

Pom Dance em casa
Contra fatos não há argumentos: desde o início de suas atividades no país a UBC sempre deu ao Pom Dance uma atenção especial. Durante algum tempo, ainda que o Pom não fosse visto em outros campeonatos e pouquíssimos ginásios do país investissem em equipes próprias, a UBC seguia incentivando e apoiando a modalidade.

A situação do Pom Dance no país vem mudando aos poucos a medida que mais equipes surgem e a modalidade ganha espaço, principalmente em São Paulo e Brasília. Esse ano, como já é tradição, a modalidade abre o campeonato às 8h30 do sábado, dia 30 de novembro. Lotus Phoenix (Brasília), Brasília Xtreme Xparkle (Brasília), UFABC Cheer (São Paulo), Olympus Cheerleading (São Paulo) e Elite Soldiers (São Paulo) disputarão 4 categorias na modalidade. A mais disputada delas, o Team Pom All Star Sênior será decidida entre Xparkle, Lotus, UFABC Cheer e Olympus Cheerleading. O Double Pom terá apresentação do Elite Soldiers.

Além do Team Pom Senior, o Lotus All Star também levará equipes de Pom Escolar Junior e Team Pom Junior. São as equipes que se apresentaram como Team Brazil Pom Dance no Campeonato Pan Americano da Costa Rica nessa temporada. Enquanto o pom cresceu e se diversificou dentro dos polos do cheer, o Hip-Hop Sênior terá participação bem menor no campeonato do que o costume: só receberá a equipe da UFMG Cheerleading (Minas Gerais).

Paracheer: um salto enorme para o esporte
Comparado ao cheerleading no resto do mundo, o esporte brasileiro ainda tinha um vácuo em categorias muito admiradas e incentivadas: o Paracheer. Desde 2017 nos campeonatos da International Cheer Union (ICU), o Paracheer teve uma participação destacada no Campeonato Pan Americano da Costa Rica nessa temporada.

Por aqui, finalmente esse espaço vem sendo ocupado desde o início do ano, quando o Sanca All Stars fundou o primeiro time brasileiro para portadores de deficiência intelectual. A equipe, que é filiada formalmente à ParaCheer International, reúne 15 atletas entre 14 e 25 anos, pioneiros em uma categoria que deverá crescer nos próximos anos. Segundo Gian Carlo Queroz, coach do Sanca All Stars, trata-se de um projeto voluntário do ginásio de São Carlos, com foco na inclusão social e no trabalho das capacidades físicas e psicossociais dos atletas. “No momento os participantes estão ansiosos para a apresentação que ocorrerá no Campeonato Nacional de Cheer & Dance da UBC, em Campinas. Isso os motiva a cada treino”, conta o coach.

Entre tantas tradições renovadas no tatame mais antigo do cheerleading esportivo do Brasil, o trabalho pioneiro realizado pelo Sanca fará história ao inaugurar as categorias do Paracheer e, sem dúvida, será um dos destaques do campeonato. A iniciativa será tema de matéria nos próximos dias aqui no Cheer One Channel mas, até lá, ficaremos com a rotina que a equipe de Paracheer do Sanca All Stars entregará amanhã, no Campeonato da UBC.

 

Texto: Rodrigo Mariano
Produção: Louise Aguiar e Nicole Goldstein
Fotos: Urso de Óculos e UBC