Engenharíadas Mineiro: 15 equipes lutam pelas medalhas

Assim como a sua edição paranaense, o Engenharíadas Mineiro é famoso pela grandiosidade. São muitas equipes, parte delas treinadas por coaches renomados, apresentando rotinas competentes para uma torcida que comparece e prestigia os seus atletas.

Seguindo a tendência dessa temporada, esse ano Sete Lagoas será palco de uma competição que valerá para a pontuação geral. A conquista é grande e soma forças às de outros campeonatos que em 2019 colocaram o cheerleading em pé de igualdade com os demais esportes pelo Brasil. “Ainda resistimos a alguns esteriótipos criados no Brasil e a inserção do cheer no resultado geral das competições é um passo importante, pois faz com que as pessoas comecem a enxergar a modalidade como um esporte de fato”, defende Breno Alvez, capitão da Martelada UFOP, atual dona do título conquistado em 2018.

Para Roberta Glass, atleta do Martelada, o marco histórico é resultado de uma batalha antiga e, hoje, reflete os frutos desse esforço: “O esporte é relativamente novo no país, o que faz com que ainda pensem que o Cheerleading seja animação de torcida com pompons e uniformes chamativos como nos filmes americanos. A questão é que não é isso o que fazemos, e a inclusão do esporte na pontuação geral do campeonato faz com que ele seja levado a sério. O Cheerleading foi incluído na lista de esportes das olimpíadas e a inclusão no Engenharíadas Mineiro e em outros tantos campeonatos universitários é nada mais que obrigação da organização”.

O capitão da Tsunami UNIFEI, bronze na última edição, também destaca o espaço conquistado aos poucos pelos primeiros atletas que acreditaram no esporte. “Atualmente o cheer vem crescendo muito no cenário nacional. Podemos perceber isso bem no Engenharíadas, onde até um tempo atrás o pessoal não conhecia o esporte ou achava que era apenas dança e nada mais. Isso mudou muito e vemos muito isso no nosso try out, que recebe cada vez mais pessoas querendo fazer parte do time”, comemora Luiz Felipe.  

Perspectivas e planos
Os donos do ouro, a Martelada, retornam para mais uma disputa e colocam dias de treinos no tatame no final do sábado. Assim como em 2018, a rotina é assinada por Davi França, que esse ano já levou o ouro do JUCS e do Intereng no Rio. A expectativa é grande: “Nosso foco esse ano é, principalmente, ser melhor do que fomos ano passado, mostrar a evolução dentro do próprio time. Mas é claro que estamos indo pra brigar pelo pódio e ainda, quem sabe, o ouro de novo”, conta Breno.

A briga pelo pódio tem tudo para ser apertada. Os atuais donos da prata trarão rotina de Adriano Branco e não sofreram para pegar a coreografia. “Tivemos facilidade. Hoje contamos com um número de atletas com alta qualidade, temos uma equipe de base e qualquer dificuldade é sanada”, conta Gabriel Rodrigues, capitão e assistant coach do Garras UFV, que completa: “Nossa perspectiva é alta, mas acima de tudo queremos apresentar nossa rotina impecavelmente. Elevamos muito o nível da apresentação e nossa meta é cumprir com as dificuldades que ela exige. Medalha é consequência, mas claro, objetivamos ser campeões do Desafio”, declara.

Outro favorito do campeonato, a Tsunami também está mais que pronta para lutar pelo pódio também na sexta-feira. “Tivemos dificuldades como todas as equipes. A principal foi avaliar como e onde cada atleta ia se encaixar. Essa dificuldade aumenta ainda mais dependendo do número de atletas na equipe. Atualmente somos 25, porém só 18 irão representar a equipe esse ano. Não foi uma tarefa fácil acertar todos detalhes, mas com muito esforço estamos lutando pra tudo sair o mais perfeito possível. Esse ano nossa perspectiva para o campeonato está muito boa. Nossa equipe está bem alinhada e focada na disputa, ainda mais por sermos uma equipe “nova” e já estarmos em uma posição muito boa para o engenhariadas. Vamos lutar muito pelo pódio, daremos o nosso melhor e buscaremos aumentar nossa colocação. Quem sabe esse ano não conquistaremos o primeiro lugar?”, brinca o capitão. A rotina da equipe é do coach Felipe Neressi.

Dois dias de muito cheer
O grande campeonato do Engenharíadas Mineiro acontecerá na sexta (21/6) e sábado (22/6). No primeiro dia passarão pelo tatame os atletas da UFV, CEFET CVO, UNIFEI, UFMG JM, UFMG, UFOP OP e UFOP JM. No segundo se apresentarão  os atletas da PUC, CEFET BH, FUMEC, UFSJOB, UFLA, UEMG PSS, UFJF e UFMT.